O que é Consciência Fonológica?

Esta habilidade é definida como a capacidade de refletir sobre a estrutura sonora da fala bem como manipular seus componentes estruturais, tratando-se, portanto, da capacidade de pensar e operar sobre a linguagem como um objeto (Moojen et al., 2003).

A consciência fonológica, forma junto com outras duas habilidades, o que chamamos de processamento fonológico, que por sua vez é considerado uma condição necessária à alfabetização e facilitadora da aprendizagem da leitura e da escrita (Demont, 1997).

Seu desenvolvimento é espontâneo, automático e natural e apesar de não receber atenção especial na comunicação, pode ser acionado quando há necessidade de se ter controle sobre a língua (Cielo, 2002). Sendo seu papel mais evidente para o desenvolvimento da linguagem escrita do que para a fala.

A habilidade da consciência fonológica melhora com a idade e alguns de seus níveis necessitam da instrução alfabética. Vários estudos apontam que as crianças que têm consciência dos fonemas avançam de forma mais fácil e produtiva na escrita e na leitura (Santos e Navas, 2002).

As atividades de consciência fonológica contribuem para melhorar o desempenho da criança durante a fase inicial do aprendizado da leitura, repercurtindo positivamente em estágios mais avançados do processo (Capovilla et al, 2004). Assim como o treinamento e a terapia fonoaudiológica, são fatores que facilitam a aquisição do código escrito.

Bibliografia:

- Moojen et al. CONFIAS - consciênia fonológica: intrumento de avaliação sequencial. Casa do Psicólogo: São Paulo, 2003.

- Demont, E. onsciência fonológica, consciência sintárica, que papéis desempenham na aprendizagem eficaz da leitura?. Artes Médicas: Porto Alegre, 1997.

- Cielo, C.A. Habilidades em consciência fonológia em crianças de 4 a 8 anos de idade. Rev. Pró-Fono: Barueri, 2002.

- Santos e Navas. Distúrbios da leitura e escrita: teoria e prática. Manole: Barueri, 2002.

- Capovilla et al. Habilidades cognitivas que predizem competênia de leitura e escrita. Psiol. Teoria e Prática: São Paulo, 2004.

Destaques
Posts Recentes
Procure por

RM 2014