De que forma a Fonoaudiologia avalia a audição da criança?

A audição infantil pode ser avaliada pelas mais diversas técnicas, a duração de cada exame depende da idade, do caso e colaboração da criança.

Até os dois anos de idade, o nervo e as vias auditivas estão em um período crítico de desenvolvimento, assim, uma criança com diagnóstico precoce de perda auditiva, poderá desenvolver adequadamente a linguagem, desde que acompanhada e orientada precocemente.

Entre os possíveis procedimentos, temos:

1) BERA: ou audiometria de tronco cerebral, é realizada com uma sonda que emite sinais auditivos, desencadeando uma série de ondas, as quais refletem a vitalidade do nervo auditivo e de determinadas áreas do tronco cerebral;

2) Teste da Orelhinha: ou emissões otoacústicas, é realizado para avaliar uma resposta do ouvido, quando estimulado por um som especial. Essa resposta é semelhante a um "eco", que é capturado por um pequeno microfone colocado no canal auditivo do bebê;

3) Audiometria Comportamental: destinada a crianças pequenas, até cerca de dois, três anos ou para outros casos específicos. São usados instrumentos musicais e são observadas as respostas motoras das crianças a um estímulo auditivo, sendo avaliadas de acordo com a faixa etária;

4) Audiometria com Reforço Visual: aqui ocorre a apresentação de um estímulo sonoro seguido de um estímulo visual, assim a criança associará que quando ouvir o barulho a luz irá acender, então ela direcionará o seu olhar quando ouvir o estímulo;

5) Audiometria Condicionada: este teste baseia-se na ideia de causa-efeito, ou seja, ao estímulo sonoro é associada uma ação motora consciente, assim, a criança é instruída a encaixar ou desencaixar uma peça de um brinquedo cada vez que escutar um estímulo sonoro;

6) Audiometria tonal: geralmente após os quatro anos, sendo dependente da concentração e compreensão das orientações oferecidas. É uma avaliação da capacidade auditiva e seu resultado é registrado em um gráfico (audiograma), consiste na emissão de diferentes sons, com frequências e intensidades padronizadas. A criança, com o fone dentro da cabine acústica é orientada a levantar a mão sempre que ouvir o apito, mesmo que bem baixo;

7) Logoaudiometria: neste teste o estímulo é a fala, sendo utilizado na confirmação de limiares obtidos na audiometria tonal e para medir a compreensão de palavras pela criança.

Vale lembrar que atualmente todas as maternidades devem realizar o teste auditivo nos recém-nascidos (a Lei Federal 12.303/10 diz que o teste deve estar disponível em todos os hospitais e maternidades).

Bibliografia:

- Godinho R. & Sih T. Cuidando dos ouvidos, nariz e garganta das crianças - guia de orientação. 2 ed - São Paulo: Oirã, 2009.

Destaques
Posts Recentes
Procure por

RM 2014