Conhecendo um pouco mais de perto os quadros de demência.


Com a preocupação cada vez maior em diagnosticar precocemente a doença e visando o apoio necessário aos familiares, é sempre importante retomar e informar a população sobre os cuidados necessários para a pessoa com demência.

A população de idosos no Brasil é crescente, as pesquisas nacionais estimam que 7% desta população possa ter a Doença de Alzheimer (DA), o que nos dá um total estimado de um milhão de brasileiros afetados por esta doença, atualmente.

Com relação a patologia em um modo geral, não apenas os casos de DA, temos a estimativa mundial de casos: em 2008 - 38 milhões, já em 2030 e 2050 estima-se que respectivamente 59 milhões e 104 milhões apresentarão algum tipo de demência.

Não existe um teste único para a demência, o diagnóstico é clínico, o relato dos familiares, o contato com o paciente e a familiaridade do médico com a doença são importantes para uma avaliação correta e precoce. As especialidades médicas indicadas para o diagnóstico são: geriatria, neurologia e psiquiatria.

A pessoa com demência ou alguém na família precisa reconhecer que algo está errado. O sinal mais comum é a perda de memória recente, confusão mental e/ou comportamento estranho.

Todas as informações e históricos são relevantes para que o médico possa fazer um diagnóstico provável. Ele então, possivelmente fará um teste de avaliação mental, incluindo um breve teste de memória - o que sempre é útil para trazer informações adicionais ao quadro.

É importante que todos estejam conscientes que a perda da memória, confusão ou comportamento estranho, não são uma parte normal do envelhecimento e podem ser um indicativo de demência.

Um diagnóstico precoce permite um apoio e uma intervenção mais cedo, uma vez que existem tratamentos medicamentosos e de reabilitação/estimulação disponíveis.

Há diversos tipos de demência e o resultado é o declínio nas atividades mentais, principalmente a memória. A demência interfere com as atividades de vida diária e relacionamentos sociais, tendo um curso progressivo e frequentemente irreversível.

1) Doença de Alzheimer: 60% dos casos, sendo associada com dano ao tecido cerebral e ocasionando declínio de memória, linguagem e demais funções mentais;

2) Demência vascular: 20% dos casos de demência, é consequência de lesão devido ao fluxo diminuído de sangue para as células do cérebro, ocasionando gradual declínio de memória e estando associada a outros sinais de doença vascular, como acidente vascular e outros fatores de risco cerebral;

3) Demência com corpos de Lewy: existência de aspectos especiais anormais no tecido do cérebro, apresenta problemas flutuantes de memória, alucinações (visões) perturbadoras, rigidez e tremor (parkinsonismo) e episódios de quedas;

4) Demência fronto-temporal: dano local na parte frontal do cérebro, com deterioração precoce do comportamento social, perda lenta de memória e déficits de linguagem precoce.

Quando se fala em envelhecimento, logo vem à mente a ideia de declínio

das capacidades e uma crescente dependência, porém o envelhecimento não precisa ser assim, é possível melhorar a qualidade dele. Existem dois modos de manter o cérebro saudável ao longo da vida: preservando-o de doenças que podem prejudicá-lo e ampliando sua capacidade. Seguem algumas dicas:

-Trate de modo correto doenças que podem prejudicar a circulação cerebral, como diabetes, hipertensão e alteração do colesterol. (obs.: mesmo sem sintomas estas doenças prejudicam o organismo):

- Não abuse de bebida alcoólica;

- Evite o cigarro;

- Evite o uso desnecessário e abusivo de medicamentos;

- Pratique atividade física regular - é estimulante e ajuda a manter boas condições de circulação;

- Mantenha atividades intelectuais - diversificada e agradável;

- Mantenha a atividade social - conviver e conversar com outras pessoas trará o conhecimento de novos pontos de vista e são interessantes para o intelecto;

- Sempre que possível conheça lugares e pessoas novas, sendo um importante estímulo para o cérebro.

Tudo o que foi citado aumenta as chances de um envelhecimento saudável. Deve-se desconsiderar lapsos eventuais de memórias (podem ocorrer com todos), mas, se a dificuldade está interferindo na vida diária, procure um especialista.

Bibliografia:

-ABRAz - Associação Brasileira de Alzheimer - Dia Mundial da Doença de Alzheimer (21/9/2009).

Destaques
Posts Recentes
Procure por

RM 2014