Auxiliando a aprendizagem de alunos com necessidades educacionais especiais

Atender às demandas educacionais especiais significa não só modificar o sistema adotado pela escola, mas também a expectativa em relação aos alunos, permitindo flexibilizar e organizar conteúdos, para que estes satisfaçam as reais necessidades dos estudantes (Nascimento, 2012).

Para isso faz-se necessária a formação e atualização profissional, assim como a adaptação curricular e demais pressupostos (Nascimento, 2012):

- atitudes favoráveis da escola quanto a diversificar e flexibilizar o processo de ensino e aprendizagem;

- identificar as necessidades para priorização de recursos e meios para a educação;

- diversificar a adoção de currículos e propostas;

- flexibilizar a organização e o funcionamento da escola;

- possibilitar a inclusão de profissionais especializados e demais serviços de apoio.

Apesar da individualidade de cada caso, algumas atitudes podem auxiliar o processo de aprendizagem:

1) Nos Distúrbios da Aprendizagem: sentar o aluno na frente, desenvolver habilidades organizacionais, estabelecer regras, trabalhar imagem corporal, lateralidade, orientação espacial, ritmo, habilidades auditivas e visuais, linguagem oral, ser consistente em condutas e certificar-se de que o aluno tenha oportunidades;

2) Nos Distúrbios de Comunicação: sentar o aluno na frente, adequar a própria linguagem à compreensão do aluno, usar referências específicas, criar ambiente positivo, ser um bom ouvinte, oferecer oportunidades para o aluno falar de seus interesses, estimular o aluno a expressar suas opiniões, falar com boa articulação e com sentenças simples, garantir que o aluno tenha entendido a mensagem - usando os recursos necessários, minimizar barulhos externos e estímulos visuais, dar feedback auditivo para o controle da qualidade de fala e seu aprendizado;

3) Distúrbios do Processamento Auditivo Central: chamar a atenção do aluno antes de falar, olhar para o aluno de frente, contar histórias e músicas, falar com boa articulação, acrescentar novas palavras para ampliar o vocabulário, buscar diminuir os ruídos da sala, sentar o aluno na frente, longe de portas e janelas, repassar instruções e informações, usar atividades motivadoras e escutar o aluno;

4) Transtorno do Espectro do Autismo: sentar o aluno na frente da sala, adequar a linguagem à compreensão do aluno, selecionar metas e objetivos de aprendizagem funcionais e relevantes, ensinar habilidade de: atenção, imitação, linguagem receptiva, compreensão, linguagem expressiva, jogo simbólico, brincadeiras, atividades compartilhadas e interação social.

Bibliografia:

Imagem: http://soatividadesparasaladeaula.blogspot.com.br/2013_08_01_archive.html

Texto: Nascimento, RTA. Alunos com necessidades especiais na sala de aula: informações elementares para o professor. Editora Memnon, São Paulo; 2012.

Destaques
Posts Recentes
Procure por

RM 2014